Notícias em destaque

Prefeitura de Criciúma repassa R$ 1 milhão para iluminação de Natal

commentJornalismo access_time19/09/2021 15:33

A assinatura foi feia na manhã desta sexta-feira (17) e pelo convênio, o governo municipal repassa os recursos e a CDL fica responsável pela implantação e manutenção das luzes

Tite convocará a Seleção Brasileira para Data FIFA de outubro

commentEsporte access_time23/09/2021 07:30

Serão três rodadas consecutivas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022: contra Venezuela, Colômbia e Uruguai

Tigre vence em Jaraguá

commentCriciúma EC access_time23/09/2021 08:00

Com dois gols, o Criciúma triunfou sobre o Juventus

TERRA À VISTA!!!!

Texto de Willi Backes

comment Jornalismo access_time21/04/2021 - 10:33

Reportagem: Redação Eldorado

22 de Abril de 1500, frota com 10 navios e 3 caravelas (Santo Antônio, São Pedro e Nossa Senhora Anunciada) da esquadra portuguesa, com 1500 marujos, comandada por Pedro Álvares Cabral, com partida do Porto de Restelo em Portugal e após 44 dias em alto mar, aportaram no litoral montanhoso do hoje estado da Bahia, logo denominado de Monte Pascoal, pois era época da Páscoa Cristã.
Em 02 de maio, com 5 navios naufragados e 500 marujos mortos a menos, a esquadra retomou caminho antes planejado, rumo a Calicute na Índia. Por aqui ficaram dois degredados, mais tarde recolhidos por outra expedição, e, dois grumetes dissidentes, nunca mais vistos ou reconhecidos.
No século XIV, os países Europeus que dominavam a navegação, empreendiam viagens a longa distância através do Oceano Atlântico para o sul, com objetivo em contornar o Continente Africano e alcançar os países asiáticos, ricos em especiarias, seda, madeiras, cerâmica e pólvora.
O objetivo inicial da esquadra portuguesa era viagem de negócios e conquistas na Ásia, na Índia, assim, convencionou-se chamar de “Índios” os nativos contatados no “Novo Mundo”.

NATIVOS SILVÍCOLAS.
Escavações e estudos arqueológicos realizados em Lagoa Santa, em Minas Gerais, identificaram presença humana no Brasil à 16.000 anos A.C.
Estudos e publicações divergentes descrevem que quando os portugueses aportaram no Brasil em 1.500, existiam no território entre 500 mil a 1 milhão, outros imaginam que haviam entre 1 milhão e 5 milhões de silvícolas. Em 2.020, os possíveis contatos e controles efetuados com os povos indígenas, afirmam existir algo em torno de 850 mil índios (silvícolas) no Brasil.
As atividades de subsistência naqueles tempos, iguais aos de hoje, eram a pesca, caça, extrativismo, cultura da mandioca, produção de cordas, cestos, peneiras, esteiras, redes, peças cerâmicas moldadas à mão.
Tradicionalmente os povos indígenas cultuam divindades criadoras supremas como “Monan” e “Maira” e por outra lado, “Tupã” é associado a destruição e morte.
Os agrupamentos indígenas naqueles tempos, em sua expressiva maioria estavam localizados ao longo de toda costa atlântica do Brasil e outros no interior, principalmente na Amazônia e norte do País. Os principais agrupamentos eram os Tupis, Guaranis, Tamoios e destes derivaram centenas de outras denominações, como os Charruas no extremo sul do continente, Carijós, Tupiniquim, Temiminó, Goitacaz, Aimoré, Tupinambá, Caeté, Tabajara, Potiguara, Tremembé, Jê, Arnak, Pano, Tukano, Karib, dentre outros.

INQUISIÇÃO RELIGIOSA NA CONQUISTA.
A expedição de Pedro Alvarez Cabral nominou as terras descobertas em 1.500 de “Ilha de Vera Cruz”. Quando noticiado da descoberta, o Rei D. Manoel I de Portugal, renomeou de “Terra de Santa Cruz”, tudo relacionado à religiosidade que cercavam as nações e as expedições.

Na Europa Medieval era comum o uso de árvores trazidas da Ásia chamada de “brecilis e brezil”, para uso da madeira e corante para tingir tecidos. Árvores similares foram identificadas pela expedição Portuguesa na costa do Novo Mundo, e que os silvícolas chamavam de Ibirapitanga. As expedições que seguiram a da descoberta, com auxílio e permuta com os nativos, popularizaram a madeira pau-brasil e seu uso por toda a Europa. A semelhança entre a árvore asiática e a do Novo Mundo, induziu a denominação das terras descobertas de “Brasil”, e, o nome científico da planta de “Paubrasilia echinata”.

BRASIL, POTÊNCIA CONTINENTAL.
Data de Fundação/Descobrimento – 22 de Abril de 1.500.
Data da Indepedência do Brasil de Portugal – 07 de Setembro de 1.822.
Data Proclamação da República – 15 de Novembro de 1.889.
Data Fundação da Capital Federal Brasília/DF – 21 de Abril de 1.960
Em 2.020 são 5.570 Municípios existentes no Território Nacional.
População estimada em 2.020 – 212.000.000 habitantes.
Território Nacional em 2.020 – 8.516.000 km2.
Fronteira Oceânica no Leste – 8.500 km de extensão, beneficiando 17 Estados e mais de 400 Municípios.
Fronteira Terrestre no Oeste – 16.000 km de extensão, fazendo divisa com todos os Países da América do Sul, menos com o Chile e Equador.
Foto – Monte Pascoal – Bahia.

content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

Prefeitura de Criciúma repassa R$ 1 milhão para iluminação de Natal

commentJornalismo access_time19/09/2021 15:33

A assinatura foi feia na manhã desta sexta-feira (17) e pelo convênio, o governo municipal repassa os recursos e a CDL fica responsável pela implantação e manutenção das luzes

Criciúma lidera no empreendedorismo em SC no ranking de cidades inteligentes

commentJornalismo access_time19/09/2021 08:33

Cidade ficou também em 14º lugar geral do Brasil e 3º na região Sul do país no eixo

Região extremo sul está no risco grave de Covid-19

commentJornalismo access_time19/09/2021 08:33

Apenas a região Nordeste está classificada com risco gravíssimo (cor vermelha)

Criciúma apresenta o menor índice de casos ativos de COVID-19 entre as maiores cidades do estado

commentJornalismo access_time18/09/2021 18:33

Os dados são do Boletim Epidemiológico de Santa Catarina registrados nessa sexta-feira (17)

Prefeito interino de Criciúma repassa mais de R$ 207 mil para entidades

commentJornalismo access_time17/09/2021 00:00

Repasse foi feito por meio de convênios firmados na Sala de Atos