Notícias em destaque

  Criciúma 140 anos: Satc

commentJornalismo access_time14/11/2019 10:50

Marca faz parte da história da cidade e foi pauta no projeto

Série B: Jogos neste feriado de sexta (15)

commentEsporte access_time15/11/2019 10:00

Além de Bragantino x Criciúma, América -MG x Vitória e Atlético-GO x Paraná se enfrentam pela competição

Confronto contra o líder

commentCriciúma EC access_time15/11/2019 07:30

Bragantino pode ser campeão com um empate

 
Há 20 anos, falecia Clésio Búrigo

Por volta das 10 horas da manhã de 5 de novembro de 1999, em sua residência, no centro de Criciúma, Búrigo foi encontrado já sem vida

comment Jornalismo access_time05/11/2019 - 08:30

Reportagem: Jornalismo / Rádio Eldorado - Foto: Divulgação

Há 20 anos, o mundo esportivo de Santa Catarina ficava em luto com o falecimento do radialista, locutor, apresentador e narrador esportivo Clésio Búrigo, que foi encontrado morto por volta das 10 horas da manhã de 5 de novembro de 1999, em sua residência, no centro de Criciúma.

Antes de ingressar no rádio, Clésio ou “Capela”, como era apelidado, foi ponta-direita do Atlético Operário. No entanto, em um treino no ano de 1956, acabou fraturando a perna direita. Foi levado, chorando, de caminhão, para o Hospital São José. No ano seguinte, em partida contra o Próspera, uma entrada por trás de um zagueiro do Time da Raça acertou a mesma perna. A fratura causou uma atrofia que prejudicou o seu andar.

Foi para os microfones da Rádio Eldorado em 1960, carreira que exerceu por 39 anos, seja como repórter de campo, narrador e apresentador. Clésio ia aos treinos do Atlético Operário e fazia de conta que estava narrando um jogo. João Sônego, que treinava o Atlético na época, achou que o rapaz levava jeito para a coisa e o convidou para trabalhar na Eldorado.

Clésio também teve passagem marcante na TV Eldorado e como colunista do Jornal da Manhã.

Ele também foi um dos pioneiros do futebol de salão em Criciúma. Junto com Luiz Carlos Búrigo criou a Liga Amadora Criciumense em 1973, destacando-se como um grande treinador da modalidade.

Clésio fazia no rádio um verdadeiro sacerdócio. Do estúdio ou da cabine do estádio, era um mestre na avaliação dos acontecimentos e na projeção de fatos. Com o seu prematuro desaparecimento, a crônica esportiva catarinense perdeu um de seus mais brilhantes representantes.

micÁudio da notícia





content_copyAssuntos relacionados

Mais notícias de Jornalismo

  Criciúma 140 anos: Satc

commentJornalismo access_time14/11/2019 10:50

Marca faz parte da história da cidade e foi pauta no projeto

  Documentário mostra os 10 anos de Dom Jacinto em Criciúma

commentJornalismo access_time13/11/2019 07:20

Trabalho do jornalista Nei Manique resume em meia hora trajetória que aniversaria hoje

  Oposição vence a eleição do DCE da Unesc

commentJornalismo access_time13/11/2019 07:05

Assessor do vereador Tita Beloli é o novo presidente do Diretório Central de Estudantes da Unesc

  CRICIÚMA 140 ANOS: 70 anos de solidariedade no Bairro da Juventude

commentJornalismo access_time11/11/2019 13:46

Marca faz parte da história da cidade e foi pauta no projeto

  Semana inicia com tempo instável

commentJornalismo access_time11/11/2019 07:00

Até quinta-feira, previsão aponta para chance de chuva na região. Na sexta de feriado e final de semana deverão ser de tempo seco