Notícias em destaque

Enfim, férias

commentJornalismo access_time13/12/2019 06:00

Ano letivo da rede pública municipal termina nesta sexta-feira (13). O retorno das atividades acontece em 17 de fevereiro de 2020

Clássico no Campeonato Inglês

commentEsporte access_time15/12/2019 08:00

Confira as principais partidas das cinco grandes Ligas Europeias

Primeira contração para 2020

commentCriciúma EC access_time13/12/2019 17:55

O lateral direito Victor Guilherme reforça o Tigre na próxima temporada

Por que o Brasil não fará parte da OTAN

access_time31/03/2019 - 15:44

A OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) consiste de uma aliança internacional de 29 países. A maioria dos países se encontra no continente europeu, com exceção do Canadá e dos EUA. A premissa básica da OTAN é que se algum país-membro for atacado, o ataque será considerado a todos os membros. A ameaça maior à OTAN é a Rússia.

Como organismo internacional a OTAN abriu caminho para a Colômbia se tornar um parceiro global. A Colômbia não é um membro da OTAN. Assim há outros parceiros, globais, que se beneficiam na área de segurança da organização, como Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, entre outros.

Do ponto de vista geopolítico, o Brasil está fora do circuito para se tornar um membro da OTAN. O artigo 10 só permite o convite de outras nações europeias.

O que o Presidente Trump sugeriu é tratar o Brasil como um país aliado extra-OTAN. A designação de aliado extra-OTAN depende de decisão do presidente norte-americano e ratificação pelo Congresso dos EUA.

Essa parceria renderia às Forças Armadas brasileiras uma aproximação maior com as Forças Armadas dos EUA em termos de treinamento e em contratos militares.


Eleições no Reino Unido em Dezembro

 personAndré Abreu
access_time31/10/2019 - 09:46

Relações mais fortes com a China

 personAndré Abreu
access_time26/10/2019 - 19:58

O jornal China Daily traz o Presidente Bolsonaro na capa junto com o Presidente chinês Xi Jinping e traz a manchete "Laços mais fortes com o Brasil".
Segundo a matéria, Xi Jinping declarou que gostaria de expandir a cooperação com o Brasil em áreas como energia, agricultura, aeroespaço e infraestrutura, além da mineração.
Na visão chinesa, a cooperação prática entre os dois países deve trazer benefícios para os dois povos. A China, afirmou, gostaria de importar mais produtos de alto valor agregado e de alta qualidade do Brasil.
A China procura manter junto com o Brasil a agenda multilateral se opondo ao protecionismo de mercado e promovendo um desenvolvimento inclusivo sustentável.
Os dois presidentes assinaram um número de acordos de cooperação após conversas. O Presidente chinês destacou o papel do Brasil como país emergente e salientou que a perspectiva da China com relação ao Brasil não mudou.

O Presidente Xi Jinping expressou gratidão pela carta do Presidente Bolsonaro no aniversário de 70 anos da República Popular da China.

Impacto local do adiamento do Brexit

 personAndré Abreu
access_time20/10/2019 - 08:39

O primeiro-ministro Boris Johnson teve mais uma derrota no Parlamento. Por uma diferença de 16 votos, o governo perde novamente o controle sobre o Brexit.
Para os sulcatarinenses, a grande família de ítalo-brasileiros, o adiamento do Brexit representa a oportunidade de regularização de mais imigrantes. É esse o impacto local do Brexit.

Dorian: Alerta de tempestade tropical na costa leste da Flórida

 personAndré Abreu
access_time31/08/2019 - 20:25

Com ventos próximos a 200 quilômetros por hora, o furacão Dorian permanece um poderoso furacão de categoria 4 na noite de sábado, quando se aproxima das Bahamas. Os meteorologistas preveem que o furacão pode poupar um golpe direto na Flórida.

Apesar disso, há ainda a preocupação para os moradores da Flórida com o momento exato em que o furacão fará uma curva em direção ao norte, No final da tarde deste sábado (31), o Centro Nacional de Furacões dos EUA emitiu um alerta de tempestade tropical de Deerfield Beach a Sebastian Inlet, o que significa que ventos próximos a 200 km por hora poderão atingir a Costa Leste nas próximas 48 horas.

Do furacão político italiano ao Dorian

 personAndré Abreu
access_time30/08/2019 - 08:50

A semana foi intensa na área de internacionais. Desde a nova formação do governo italiano de Giuseppe Conte, agora com a participação do Partido Democrata, até o isolamento da extrema-direita de Salvini. Mas também teve o furacão de Boris Johnson, de cabelos desalinhados, que suspendeu o Parlamento sem dó, nem piedade e com o consentimento da Rainha.
A semana do furacão da Amazônia de origem francesa chamado Macron termina com a previsão do furacão Dorian, de categoria 4, prestes a bater nas costas da Flórida e desalinhar os cabelos do Presidente Trump. Trump tem hoje a visita de Eduardo Bolsonaro, mais do que o filho do Presidente, talvez futuro embaixador em Washington, mas, sem dúvida, é um furacão de outra categoria.
Encerro o breve relato com um abraço de fim de semana ao Dr. Américo Faria, que acompanha com frequência meu trabalho.

Cúpula da Amazônia

 personAndré Abreu
access_time29/08/2019 - 10:46

G7: Líderes mundiais próximos de acordo sobre queimadas na Amazônia

 personAndré Abreu
access_time25/08/2019 - 13:45

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse hoje (25) que os líderes das sete potências econômicas mundiais estão próximos de chegar a um acordo de ajuda para a Amazônia. O objetivo é ajudar a combater as queimadas e restaurar a devastação, segundo Macron. A declaração do líder francês ocorre durante a realização do encontro do G7 na cidade de Biarritz, sul da França.
Macron destacou que há clima para uma decisão conjunta entre França, Japão, Estados Unidos, Itália, Grã-Bretanha e Canadá.

Macron joga xadrez contra Bolsonaro

 personAndré Abreu
access_time23/08/2019 - 18:56

Antes do início do encontro de líderes mundiais das sete maiores economias do mundo, o presidente francês Emmanuel Macron parece disposto a um jogo de xadrez global em que busca isolar o presidente Jair Bolsonaro. Bolsonaro saiu vencedor do encontro do G20 no final de junho no Japão. O acordo do Mercosul (bloco econômico e político hostilizado na campanha pelo então candidato) com a União Europeia. Trump saiu fortalecido com um novo encontro com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un. O presidente francês saiu de mãos vazias, num mundo que caminha para a direita.
Às vésperas do G7, em solo francês, Macron joga em casa. Isola internacionalmente o presidente brasileiro com o apoio da chanceler alemã Angela Merkel, da ONU e outras figuras conhecidas mundialmente.
O Brasil corre o risco de levar um novo 7x1 com apoio da Alemanha e sem estar jogando em campo, pois o país não participa do encontro das sete maiores economias. O xeque-mate acontece em Biarritz no fim de semana.

Israel autoriza visita de deputada dos EUA

 personAndré Abreu
access_time16/08/2019 - 09:11

Revertendo uma decisão inicial em que negava visto para duas deputadas democratas dos EUA, que criticam fortemente o governo Trump e seu apoio ao país, o governo de Israel resolveu autorizar a visita da deputada Rashida Tlaib.
A deputada escreveu ao Ministro do Interior de Israel pedindo autorização humanitária para visitar seus parentes que vivem no país e, destacou especificamente a questão de sua avó na faixa dos 90 anos de idade. Rashida afirmou que não usaria a visita para fins políticos, sendo que seria uma visita de caráter pessoal. As informações foram publicadas pela imprensa de Israel hoje (16).
O governo de Israel, comandado por Benjamin Netanyahu, proibiu a visita de duas deputadas, entre elas Rashida, depois de uma mensagem no Twitter do Presidente Trump.

Tiroteios nos EUA marcam o fim de semana

 personAndré Abreu
access_time04/08/2019 - 14:50

O final de semana foi marcado por dois tiroteios, Um na cidade de El Paso, no estado do Texas e o outro em Dayton, Ohio. Foram menos de 24 horas de intervalo entre os dois incidentes, o que desperta novamente a questão de um controle maior de armas no país: tema recorrente a cada incidente. Em El Paso foram 20 mortos e 26 feridos em uma loja do Walmart. Um jovem de 21 anos foi detido e suspeita-se de que tenha sido motivado por um sentimento anti-imigrante.
No tiroteio em Ohio, nove pessoas morreram após um jovem de 24 anos abrir fogo no Distrito histórico de Oregon, Entre os mortos está a irmã do suspeito. O atirador foi morto em confronto com a polícia.
Os dois incidentes devem levantar o debate sobre o controle de armas em Washington, sobretudo com uma Câmara dominada por democratas e pronta a fazer oposição à política a favor de armas do Presidente Trump.

Vitória de Trump no muro do México

 personAndré Abreu
access_time27/07/2019 - 10:53

A Suprema Corte autorizou o Presidente Trump a construir o muro na fronteira com o México ontem (26). O Presidente fica autorizado a destinar 2,5 bilhões de dólares do Pentágono para a construção. No parecer de 5 a 4 a Corte determinou que Trump pode usar o dinheiro enquanto o processo tramita. Há entendimento de que na decisão final a Corte novamente se posicione favoravelmente ao governo.
Havia uma decisão anterior em recurso que proibia o governo de destinar dinheiro do Pentágono para a construção do muro, que é tratado pela mídia norte-americana como o muro de Trump, pois trata-se de uma promessa de campanha do atual mandatário da Casa Branca. No Twitter Trump comemorou com um grito de vitória.
Depois da vitória de Johnson no Reino Unido e de Trump na Suprema Corte a direita termina a semana com saldo positivo.

Quatro navios iranianos parados no Brasil

 personAndré Abreu
access_time21/07/2019 - 17:47

Mais dois navios graneleiros iranianos que vieram para o Brasil carregando uréia e deviam voltar para casa com o milho poderão ficar retidos, já que a petrolífera estatal brasileira Petrobras se recusa a fornecer combustível devido às sanções dos Estados Unidos.

Os dados de rastreamento dos navios mostram que as embarcações MV Delruba e Ganj, localizadas perto do porto de Imbituba, no sul do Brasil, devem operar na mesma rota de dois outros navios iranianos, Bavand e Termeh, que enfrentaram problemas similares de reabastecimento na última quinta-feira(18).

Todos os quatro navios são de propriedade do governo iraniano e estão incluídos nas sanções impostas pelo governo dos EUA. Petroleo Brasileiro SA, ou Petrobras, se recusou a vender o combustível de navios, citando as sanções. Se as vendas ocorressem, a Petrobras poderia sofrer penalidades devido a suas operações nos Estados Unidos

Trump tem encontro histórico com Kim na zona desmilitarizada

 personAndré Abreu
access_time30/06/2019 - 11:15

O presidente norte-americano Donald Trump anunciou no domingo que Washington e Pyongyang reiniciarão as conversas sobre desnuclearização. A declaração ocorreu em um encontro de última hora com o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

Trump se torna assim o primeiro presidente dos EUA a cruzar a fronteira, mais especificamente a linha do armistício entre as duas Coreias. Os dois líderes tiveram seu terceiro encontro, sugerido por Trump durante o G20 em uma mensagem de Twitter. O encontro durou 50 minutos.

UE e Mercosul fecham acordo histórico no G20

 personAndré Abreu
access_time28/06/2019 - 22:26

Depois de duas décadas de negociações, o Mercosul e a União Europeia (UE) finalmente fecharam nesta sexta-feira (28/06) um acordo comercial entre os dois blocos.

Um anúncio oficial deve ser feito pelos líderes dos dois grupos que participam do encontro do G20 em Osaka, no Japão, mas membros do governo Bolsonaro e líderes europeus e da Argentina já estão celebrando o resultado.

"Momento histórico aguardado há 20 anos: Mercosul e União Europeia assinam acordo comercial", foi publicado na conta do Twitter do Ministério da Agricultura brasileiro.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, declarou : "Acordo comercial fechado! Um momento histórico. Em meio a tensões comerciais internacionais, nós estamos mandando um sinal forte de que defendemos o comércio regulamentado. É o maior acordo comercial que a UE já negociou."

Trump e o possível ataque ao Irã

 personAndré Abreu
access_time22/06/2019 - 09:54

WASHINGTON - A decisão do presidente Trump de suspender um ataque militar não é nova. O presidente Obama suspendeu um ataque com míssil contra um país do Oriente Médio, a Síria, em 2013 anulando seus assessores de segurança nacional, confundindo aliados e adversários, e provocando críticas de falcões militares em seu próprio partido, que advertiram que sua vacilação poderia corroer a credibilidade dos EUA em um mundo perigoso.
Os paralelos entre o cancelamento por Trump de um ataque com mísseis ao Irã nesta semana e a decisão de Obama de engavetar o ataque à Síria são tão tentadores que alguns republicanos não perderam tempo em destacá-los.
Não há nada de novo na política externa de Trump. Ataque e retrocesso são as linhas principais e na negociação externa o blefe é a sua marca. O método funcionou bem ao erguer seu impmaério imobiliário nos EUA, consolidando sua marca no mundo dos negócios. Resta saber se a marca Trump terá sucesso em um confronto ou negociação com o Irã,, nos mesmos moldes da relação com a Coreia do Norte, que levou a um encontro histórico em 12 de junho passado.