Notícias em destaque

Última Feira da Agricultura Familiar no ano

commentJornalismo access_time12/12/2019 15:44

Feira aconteceu nesta quinta-feira (12) no Paço Municipal Marcos Rovaris

Seleção Feminina: Pia Sundhage avalia duelo diante do México

commentEsporte access_time12/12/2019 14:00

Treinadora da Seleção Feminina comandou última atividade antes do duelo com a equipe mexicana

Definido o primeiro adversário do Tigre na Copa do Brasil em 2020

commentCriciúma EC access_time12/12/2019 15:30

Santo André também venceu a Copa do Brasil em 2004

Interpretando a eleição de Geovânia de Sá no PSDB

access_time01/12/2019 - 18:00

Por unanimidade a deputada federal do Sul, Geovânia de Sá foi escolhida a presidente estadual do PSDB. Foi sábado durante convenção realizada na capital. Não é só o fato dela ser a primeira mulher do partido que chama atenção. Ela enfrentou algumas articulações internas, entre as quais a tentativa de esvaziamento. Dos 106 convencionais compareceram 56, dois mais do que a metade mais um, que é o quórum exigido para validar a escolha. Outro aspecto subliminar é o ligeiro enfraquecimento que sofre dentro do partido o grupo mais ligado ao MDB. Daqui por diante, entretanto, existe outro aspecto que a presidente tucana terá que observar: a inserção do dominador Gelson Merísio nos quadros do partido.
A verdade é que a deputada Geovânia de Sá não se mostra “empoderada” apenas no Sul, onde tem fincado bandeira um a um dos municípios. Sua liderança abrange agora todos os municípios catarinenses. Não que isso seja o desejo de todos os tucanos. Até mesmo tucanos que votaram nela podem entortar o bico quando se trata de unidade partidária, mas disso ela se mostrou ciente no discurso da convenção quando citou a liderança exercida pelos principais líderes tucanos.
O PSDB foi aliado do MDB na maior parte do tempo das últimas duas décadas e esta deve ser a grande diferença do novo partido. Fato, aliás, que se acentua com o ingresso de Gelson Merísio na sigla. Se observar o PSDB saiu de vice- de Esperdião Amin com Paulo Bauer para vice de Luiz Henrique da Silveira com Leonel Pavan e depois manteve-se na aliança costurada pelo falecido governador mesmo quando só teve vaga ao Senado. Aqueles tempos da aliança MDB e PSDB foram eficazes enquanto LHS era vivo. Já na eleição passada a tentativa de reedição desta aliança mostrou-se no maior fracasso que o partido sofreu em sua história.


Tem razão, mas vai ser criticado igual

 personJoão Paulo Messer
access_time04/12/2019 - 22:22

Nesta quarta-feira o Tribunal de Justiça de Santa Catarina confirmou o que o prefeito Clésio Salvaro havia dito em entrevista à rádio Eldorado na semana passada: "os vereadores estão jogando para a torcida". Referia-se ao fato de que a Câmara aprovou uma lei que teria vida longa. Trata-se da lei 7.583 que daria isenção de IPTU para portadores de doenças graves diagnosticadas como câncer. Os vereadores criaram a lei e foram aplaudidos pela comunidade, enquan to o prefeito que vetou a lei sofreu críticas. Ao cidadão beneficiados pouco importa a análise da constitcuionalidade ou legalidade, o que vale é o benefício. Nem mesmo o cidadão que pode sofrer consequência como o pagamento a mais porque outros tem isenção se importa com isso. É da nossa cultura que os benefícios, venham eles com a consequencia com que vierem ou seja qual for a real intenção, são sempre bem vindos. Como consequencia da nossa cultura continuaresmo com leis desta natureza. Neste caso, por maior que seja a razão do prefeito, ele será o criticado.

Interpretando a eleição de Geovânia de Sá no PSDB

 personJoão Paulo Messer
access_time01/12/2019 - 18:00

Por unanimidade a deputada federal do Sul, Geovânia de Sá foi escolhida a presidente estadual do PSDB. Foi sábado durante convenção realizada na capital. Não é só o fato dela ser a primeira mulher do partido que chama atenção. Ela enfrentou algumas articulações internas, entre as quais a tentativa de esvaziamento. Dos 106 convencionais compareceram 56, dois mais do que a metade mais um, que é o quórum exigido para validar a escolha. Outro aspecto subliminar é o ligeiro enfraquecimento que sofre dentro do partido o grupo mais ligado ao MDB. Daqui por diante, entretanto, existe outro aspecto que a presidente tucana terá que observar: a inserção do dominador Gelson Merísio nos quadros do partido.
A verdade é que a deputada Geovânia de Sá não se mostra “empoderada” apenas no Sul, onde tem fincado bandeira um a um dos municípios. Sua liderança abrange agora todos os municípios catarinenses. Não que isso seja o desejo de todos os tucanos. Até mesmo tucanos que votaram nela podem entortar o bico quando se trata de unidade partidária, mas disso ela se mostrou ciente no discurso da convenção quando citou a liderança exercida pelos principais líderes tucanos.
O PSDB foi aliado do MDB na maior parte do tempo das últimas duas décadas e esta deve ser a grande diferença do novo partido. Fato, aliás, que se acentua com o ingresso de Gelson Merísio na sigla. Se observar o PSDB saiu de vice- de Esperdião Amin com Paulo Bauer para vice de Luiz Henrique da Silveira com Leonel Pavan e depois manteve-se na aliança costurada pelo falecido governador mesmo quando só teve vaga ao Senado. Aqueles tempos da aliança MDB e PSDB foram eficazes enquanto LHS era vivo. Já na eleição passada a tentativa de reedição desta aliança mostrou-se no maior fracasso que o partido sofreu em sua história.

MP é o maior adversário de Clésio Salvaro

 personJoão Paulo Messer
access_time27/11/2019 - 19:34

Existe um consenso velado no cenário político de Criciúma de que o prefeito Clésio Salvaro só perde para ele próprio. Que não tem adversário no voto capaz de derrota-lo. Não sei se isso é tão verdadeiro, mas que o conceito é construído pela maioria dos que analisam o cenário isto é verdade. Pois sob a sombra desta dúvida, ou esperança para alguns, surgiram dois novos fatos. Trata-se das ações por improbidade propostas pela Promotora Pública. Combustível para o debate político, mas muito cedo para qualquer conclusão. Se em tempos normais ajuizamento de caso não significa certeza de condenação, nos tempos de hoje as incertezas são ainda maiores. Quer dizer, à oposição o movimento jurídico é combustível para o debate. Já à situação os exemplos de que estas coisas dão em nada são o contragolpe. Esta é em síntese, na minha opinião, o resultado prático das duas principais notícias desta quarta-feira (27).
A promotora pública Caroline Eller entrou com uma e fala de uma segunda ação civil de improbidade administrativa contra o prefeito Clésio Salvaro. Uma já apresentada ao Judiciário é resultado de um movimento que já provocou enorme barulho na própria Câmara de Vereadores, com instalação de CPI, e no sistema de previdência dos servidores por causa da irregularidade na falta de cumprimento dos deveres ao recolher o fundo dos servidores. A outra, a ser apresentada, é porque o prefeito tem se negado a fazer concurso público seguindo Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o MP.

Bolsonaristas vão precisar de “partido de aluguel” em 2020

 personJoão Paulo Messer
access_time25/11/2019 - 22:22

Uma entrevista bastante esclarecedora com Júlio César Lopes, que está saindo do PSL assim como o presidente Jair Bolsonaro e uma multidão, deixa evidente as dificuldades que os bolsonaristas candidatos a vereador terão no ano que vem. O novo partido Aliança pelo Brasil (38) não deve estar habilitado até março, prazo máximo do calendário eleitoral. Assim, a alternativa será buscar outra sigla que deve estar ciente de que servirá até que o novo partido esteja criado. Esta estranha manobra é decorrência da burocracia que impede a criação do Aliança pelo Brasil e do que é, segundo interpreta Lopes, estratégia de Bolsonaro que assim não precisará percorrer o Brasil em campanha na eleição municipal. O que importa é a eleição de 2022.
Pior ainda o cenário em Santa Catarina, onde o governador Carlos Moisés deve seguir no PSL e por lógica não irá apoiar candidato bolsonarista. Esta é a interpretação de Júlio Lopes, pai do deputado Jessé Lopes, que declarou guerra ao governador.

Sinuca de bico
Alguns vereadores em Criciúma, candidatos à reeleição, como Ademir Honorato (hoje MDB) e Júlio Kaminski (hoje PSDB), andam sondando como serem candidatos declaradamente bolsonaristas. Eles necessitam de um novo partido a ser escolhido em março, pois a legislação brasileira não permite a disputa da eleição sem filiação e ambos já se declararam fora de suas atuais siglas.

Presidência da Câmara
Em 2017, quando a atual legislatura assumiu, o prefeito Clésio Salvaro (PSDB) tentou ganhar a presidência da Câmara de Vereadores, mas perdeu para o chamado “Grupos dos Nove”. Seu candidato era Júlio Kaminski (PSDB), atualmente ferrenho opositor. No ano passado o prefeito nem se movimentou e de novo o “G9” ganhou a eleição mantendo um acordo firmado pelo grupo que se declarou “independente” do Executivo. Este acordão prevê que no final do ano o atual presidente Miri Dagostin (PP) renuncie e em nova eleição seja eleito alguém do MDB. Este alguém já está escolhido pelo partido: é o vereador Tita Beloli. As coisas evoluíram tanto que desta vez o prefeito deve oferecer três votos para o grupo que nasceu independente, mas hoje é mais fiel que a própria base do prefeito na Câmara.

Tita conta 12
O vereador Tita Beloli (MDB) conta 12 votos para ser eleito presidente da Câmara ade Vereadores. O tal G9 perdeu um vereador – Daniel Freitas – hoje substituído por Edison Luiz do Nascimento, Paiol. Este ainda não revela o voto mas admite que “sabe fazer conta”. Isso significa que não vai votar contra o Tita se o prefeito der mesmo três votos ao emedebista, como tudo indica vá ocorrer.

Três tucanos
O prefeito já garantiu ao vereador Tita Beloli que seus três fiéis tucanos (Giovana Zanete, Arleu da Silveira e Moacir Da Jori) votam com o G9. Por “osmose” Paiol também vota.

Por estratégia governo de Criciúma faz autoinvestigação

 personJoão Paulo Messer
access_time04/11/2019 - 22:22

Vamos à interpretação da estratégia do governo municipal de Criciúma ao protocolar, ele própria, uma investigação parlamentar sobre um “braço” seu, a AFASC. Nesta segunda-feira o vereador Arleu da Silveira (PSDB) recolheu as assinaturas necessárias e protocolou pedido de CPI na AFASC. Estranho? Não em se tratando do governo Clésio Salvaro. No seu mandato anterior ele já havia feito isso, no que ficou conhecido como a CPI das Lajotas. Decorrente daquela corre até hoje um processo que se arrasta e até respingou sobre alguns do governo, que seguem recorrendo das suas condenações. Há de se registrar que naquela época a oposição era muito diferente da atual. Era o tempo do auge da oposição com Romanna Remor e Douglas Mattos. De longe não se compara aquela oposição à atual. Afora isso, creio que com aquela CPI o governo aprendeu algumas artimanhas a serem usadas agora.

Quem chama recebe
Como foi o vereador Arleu da Silveira (PSDB), quem protocolou a CPI ele é quem representa o partido. Não fosse assim, Júlio Kaminski que segue no PSDB poderia ser um vereador de oposição ao governo ocupando vaga do partido do prefeito. Isso porque se Arleu não fosse o autor do protocolo, Kaminski o faria. Outro vereador de oposição que poderia estar nesta CPI é Ademir Honorato (MDB), mas foi Toninho da Imbralit, quem subscreveu pelo MDB. Como cada partido indica um membro da CPI, restará o grito isolado do vereador Edson Luiz do Nascimento Paiol (PP).

Traz o antecessor para o balaio
Outro fato a ser considerado neste jogo estratégico do governo em registrar a CPI da AFASC é que o pedido remete a investigação ao ano de 2013. Quer dizer, busca todo o governo de Márcio Búrigo. Nos bastidores os tucanos afirmam que em 2016 o repasse da prefeitura à AFASC era de R$ 43 milhões anos e que agora em 2019 o montante reduz para R$ 40 milhões, sendo que daquele ano para o atual o número de crianças atendidas saltou de três mil para cinco mil agora. Assim o atual governo deixa um argumento para tripudiar com o slogan de que faz mais com menos.

Os preços da água em Criciúma

 personJoão Paulo Messer
access_time31/10/2019 - 10:58

O prefeito Clésio Salvaro já tem o “rascunho” do que vai apresentar à Casan e ao governador Carlos Moisés a respeito da tarifa de água em Criciúma. A nova agência reguladora, contratada recentemente, já concluiu o estudo. Falta apresentar documento oficial. A rigor o estudo encontrou cálculos de três preços: um se a Casan fosse um órgão eficiente, outro que justifica o preço atual e um terceiro se a gestão fosse feito por um órgão municipal como Samae. Para explicar o preço atual o item de maior impacto é o dos altos salários da companhia. Não há previsão de quando o prefeito vai receber em mãos o documento oficial, nem quando irá ao governador. Isso deve acontecer ainda neste ano.

Comissão
A Câmara de Vereadores de Criciúma criou uma comissão que vai acompanhar as negociações do município com a Casan e a prestação do serviço da nova agência reguladora. Havemos de lembrar que uma comissão da água já existiu na mesma Câmara, mas se extinguiu pelo tempo de demora sem resultado prático. Tudo começou com um abaixo assinado coletado por iniciativa de líderes do movimento de bairros de Criciúma. Isso tem dois anos e a tarifa em nada mudou.

Minotto
Flagrante a mudança de estratégia do deputado Rodrigo Minotto (PDT), quando o assunto é eleição de prefeito de Criciúma. Ele já foi contundente em se tratando de candidatura e até do apoio do governador Carlos Moisés. Como não pegou bem no PSL e o partido está cada vez mais longe do governador, Minotto se afasta do discurso de candidatura e se aproxima do governador. Isso tira ele do foco em se tratando do assunto eleições e o deixa com uma espécie de apoio branco do governador.

Interlocutor
Sem relacionamento com a sua base eleitoral o governador Carlos Moisés preferiu passar pelo deputado Rodrigo Minotto a informação de que irá anunciar no mês que vem investimentos como a ponte na barra do Araranguá e a rodovia Jacob Westrup. Minotto estaria preparando ainda um pacote ainda maior a partir da sua proximidade com o governador. Tudo isso apenas reforça a distância de Moisés e Bolsonaro, aproximando o governador a correntes identificadas com a esquerda.

Recuou
De quem não se deve mais ouvir verdadeiras “declarações de amor” como aquela feita quando o governador esteve em Criciúma, no mês passado, é do deputado Luiz Fernando Cardoso Vampiro. Naquela ocasião ele teria ido longe demais ao elogiar o governador pelo modelo de gestão. Sem necessidade de citação ele “fritou” governos anteriores, dos quais ele fez parte, como foi o caso do padrinho Eduardo Moreira.

Reação precisa da UNESC na gestão de crise

 personJoão Paulo Messer
access_time27/10/2019 - 20:15

Houve dois momentos críticos administrados com maestria pela reitoria da UNESC, nestes últimos dias. O de menor repercussão, mas que também mostrou reação rápida e precisa foi ante a notícia divulgada pelo advogado do ex-professor Dorival Giassi, de que ele deveria ser imediatamente reintegrado ao quadro da instituição. Como o processo corre em segredo de Justiça a fonte foi o próprio advogado. A universidade logo mostrou que não é parte do processo e que Giassi foi afastado após processo disciplinar administrativo o que rechaça a ideia de que a instituição tivesse perdido uma ação judicial. Se ela não é parte não tem como sofrer derrota. Isso foi esclarecido pela universidade logo. O caso de maior repercussão, entretanto, é o que envolve a instituição indiretamente. Um estabelecimento terceirizado que presta serviço no ambiente da instituição é suspeito de ter comprado carne vendida de forma irregular no caso que ficou conhecido como desvio de alimento na AFASC. Assim como no outro, neste a reitoria não vacilou e rompeu o contrato. Reações desta natureza são hoje o que o cidadão espera dos gestores. Vacilos ante situações como estas remetem a outras suspeitas. Por isso a reação da universidade foi muito elogiada nos bastidores, neste fim de semana. A reação foi imediata e contundente. Não é o caso da reação da AFASC (órgão do município) em relação à investigação sobre o suposto desvio de carne.

Uma interpretação à cena da política agora

 personJoão Paulo Messer
access_time20/10/2019 - 18:00

O PSL está como aquela mãe que engravidou de filho rico.
Goza dos privilégios, mas sempre será tratada como descartável, pois apesar de ter tido o papel aparentemente principal, nunca foi a estrela deste ambiente.
Afinal, quando se tem esperança, menos importa a genética do corpo, mas sim a saúde do ventre e o seu fruto.
O PSL não é mãe solteira, pois gerou o fruto da família brasileira. E dele todos se consideram um pouco pais. Só irão renegar a paternidade se forem traídos ou se este revelar que não tem as virtudes da família paterna, mas sim os defeitos da família da mãe.
Essas barrigas chamadas partidos parecem todas vindas da mesma gênese, pois se alimentam do mesmo.
Os avós são o povo brasileiro, que por conta da esperança de um novo Brasil, acariciaram a barriga de aluguel o tempo todo. Barriga que nem conheciam, mas que gerou o orgulhoso e esperançoso filho. Os outros, antes gerados por barrigas bem mais conhecidas e estruturadas, se tornaram filhos ingratos, hoje chamados de filhos de prostitutas.
Bolsonaro é o filho da esperança brasileira. Por isso, a barriga tem pouco mérito. Há quem olhe para ela com o desprezo de quem a vê apenas como oportunista. Afinal, ela invoca os privilégios de membro desta família, pois se acha autora da cria.
PSLs, assim como barrigas, havia tantas para Bolsonaro, a diferença é que essa que ele escolheu era virgem.
Bolsonaro precisava de um partido, assim como a esperança brasileira necessitava de uma barriga.
Agora que a criança começa a andar aparecem todos reivindicando paternidade.
Bolsonaro precisa seguir as virtudes do pai, mas pode ter problemas se não souber dar à mãe a atenção necessária. Afinal, filho algum quer ver a mãe na zona.

Julgamento abre brecha para questionar a fidelidade partidária

 personJoão Paulo Messer
access_time17/10/2019 - 20:22

O Tribunal Regional Eleitoral julgou nesta quinta-feira processo em que é requerida a perda do mandato do deputado estadual Bruno Souza, por infidelidade partidária. A decisão foi de 6 a 0 em favor do deputado que trocou de partido sob alegação de “justa causa”. Desta forma o suplente de deputado Cleiton Salvaro e o PSB perderam o julgamento no Tribunal Regional Eleitoral.
Souza saiu do partido numa manobra denunciada pelo PSB como “sórdida”, já que ao processo foram acrescidas provas de conversas de whatsapp, onde fica evidente que a desfiliação ocorreu em uma data, mas ficou guardada em gaveta a tempo de dificultar que os interessados pleiteassem a aplicação da Lei da Fidelidade Partidária.
Agora convenhamos, não consigo pensar diferente, pois enxergo que o contexto deste caso extrapola o arcabouço jurídico previsto na Lei da Fidelidade Partidária, já que trata, inclusive, de ocultação de documentos com o intuito de reduzir a possibilidade de interessados em apelar à legalidade e revela uma maquiavélica construção manipulada pelo ex-deputado federal Paulinho Bornhausen.
Ressalvas feitas às minhas preferências lógicas neste caso, em virtude de vínculos e pessoais e bairrismo, confesso que fiquei perplexo com a dissimulada operação burocrática absorvida pelos juízes como prática legal. Me parece que ficou mais fácil, agora, qualquer agente público de Santa Catarina saltar de sigla. Nem é necessário esperar a tal janela, pois o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina acaba de abrir frestas de sobra. Quem sabe eu ainda não tenha aprendido que os ventos das mudanças, que andaram mexendo algumas estruturas do país, não alcançaram as veias aristocráticas que alimentaram a composição do poder judiciário.
Repercussão
Com base no julgamento desta quinta-feira pelo menos três vereadores de Criciúma poderão mudar de partido a qualquer momento saindo pela fresta aberta pelo TRE. São os casos dos vereadores Ademir Honorato (MDB), Júlio Kaminski (PSDB) e Zairo Casagrande (PSD), todos com garantia dos seus partidos para deixar a sigla. Por conta da lei da Fidelidade Partidária e com base em outros julgamentos ocorridos até então eles aguardam a “janela” legal prevista para março do ano que vem.

Disputa pela presidência do PSDB terá ingredientes interessantes

 personJoão Paulo Messer
access_time13/10/2019 - 20:14

Quando o deputado federal Marco Tebaldi foi eleito presidente do PSDB, no início do ano, os bastidores já estavam movimentados. A disputa só não se tornou acirrada em virtude do já difícil estado de saúde do deputado que assumiu a presidência. A eleição da vice-presidência foi um indicativo do tamanho de disposição do Sul do Estado em ficar com o comando do partido justo após um período cheio de problemas em que o deputado estadual Marcos Vieira conduziu a sigla num dos caminhos mais tortuosos e equivocados, já que a sigla desapareceu da majoritária e encolheu pela metade nas bancadas estadual e federal.
Tudo indica que passado o período de luto e dentro dos três meses previstos no estatuto do partido haverá uma nova e acirrada disputa. O ex-presidente Marcos Vieira deve voltar à cena, mas o grupo do Sul, onde está o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, deve defender a manutenção de Giovânia de Sá à presidência.
A disputa tucana, entretanto, não será sem reuniões e articulações tensas.

Clésio e Boeira se encontram nas festas

 personJoão Paulo Messer
access_time12/10/2019 - 18:18

O feriado das crianças – e de Nossa Senhora Aparecida – foi também da pré-campanha eleitoral. O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) e o ex-deputado Jorge Boeira (PP) se encontraram num evento que aconteceu no Rio Maina no mais perfeito estilo de campanha eleitoral. O aperta a mão foi seguido pelos dois nomes que devem disputar a eleição do ano que vem, em outubro.
Jorge Boeira não aparece com tanta frequência, enquanto Clésio Salvaro tem a fama de não perder festa, nem velório, mesmo quando não está em tempos de disputa. Jorge Boeira tem um estilo mais quieto, inclusive nos tempos de campanha eleitoral. Suas aparições em eventos têm sido mais frequentes e devem se intensificar. Ele ainda não confirmou ao partido se vai ser candidato, diferente de Clésio Salvaro que já tem estratégia definida.
Clésio aparece normalmente acompanhado de integrantes do governo ou futuros candidatos a vereador, enquanto Boeira tem sempre ao seu lado o vereador Edison Luiz do Nascimento, Paiol e o presidente do Partido Progressista, Paulo Conti.

MDB precisa ter candidato em Criciúma

 personJoão Paulo Messer
access_time06/10/2019 - 13:00

Um encontro realizado neste sábado em Siderópolis reuniu emedebistas de toda a região carbonífera. Participaram líderes estaduais como o presidente catarinense da sigla deputado Celso Maldaner, o ex-governador Eduardo Moreira e o ex-deputado federal Edinho Bez. Afora as palestras motivacionais partidárias e de atualização das ações partidárias e da legislação eleitoral o apelo dos principais líderes para que o partido tenha candidato a prefeito nas principais cidades: Criciúma é considerada estratégica.
Para Eduardo Moreira foi repassada a informação de que o partido tem um nome – trata-se de um empresário – mas que é mantido em sigilo. O curioso é a alegação: “se a gente divulgar os adversários – leia-se principalmente Clésio Salvaro – vão para cima agora e podem inviabilizá-la.
Puxam a fila deste movimento emedebista em Criciúma o presidente local Jeferson Rodrigo Duzzioni, o Ganso, o ex-vice-prefeito Gelson Fernandes – que ainda nem está filiado – e o vereador Toninho da Imbralit.
O MDB de Criciúma fará a sua convenção municipal no dia 19 de outubro.

PP mantém time da Executiva

 personJoão Paulo Messer
access_time06/10/2019 - 11:11

Numa convenção estadual pouco prestigiada, neste sábado pela manhã na sede da Assembleia Legislativa, o Partido Progressista de Criciúma elegeu seus novos dirigentes. Manteve a presidência com Silvio Dreveck, a vice-presidência com Esperidião Amin e a maioria dos demais cargos ocupados por aqueles que já estavam na direção. Como não houve disputa pouca gente sentiu- atraída à comparecer. Do Sul do Estado destaque para as presenças do deputado José Milton Scheffer e o ex-deputado Valmir Comin. Ausentes líderes como o ex-deputado Jorge Boeira. Nem o presidente da Câmara de Vereadores de Criciúma, Miri Dagostin compareceu. Dos prefeitos da região carbonífera o único a comparecer foi Ademir Magagnin, de Cocal do Sul.
Direção eleiç~tao:
Presidente: Silvio Dreveck
1º vice-presidente: Esperidião Amin
2º vice-presidente: Joares Ponticelli
3º vice-presidente: Leonardo Martins Machado
Secretário geral: Aldo da Rosa
1º secretário: Joana Silva
2ª secretária: Sisi Blind
Tesoureiro Geral: Amaro da Silva
1º tesoureiro: Valmir Comin
2º tesoureiro: Altair da Silva
Nos discursos apelos para que o partido tenha candidato a prefeito nas 50 maiores cidades. Neste caso é um recado ao PP de Criciúma.

Prefeito explica ida de Arleu à Câmara

 personJoão Paulo Messer
access_time06/10/2019 - 00:23

Para “consumo externo” – isto é, a versão oficial – Arleu da Silveira retornou à Câmara de Vereadores porque o prefeito sabia que deveria fazer isso em março, quando acontece a desincompatibilização. Só decidiu antecipar. Diz que pretende uma base aliada mais forte e admite que não é plenamente satisfeito com alguns movimentos da base aliada. Ele nega, entretanto, que a antecipação da mudança tem a ver com o recente comportamento de aliados que votaram contra o governo. E justifica isso dizendo que o líder continuará sendo Aldinei Poteleki

Agora vai a minha interpretação para o fato. Ela está baseada em muitas informações de “bastidores” sim. A decisão foi tomada numa semana em que o prefeito estava com “os nervos à flor da pele” com toda aquela bronca da Meningite. Tanto é que andou se passando em uma declaração polêmica. Apareceu neste pacote a infidelidade da base aliada. A troca foi só uma questão de canetaço.

Arleu não será só vereador. Não será líder oficialmente, mas vai articular como se fosse. Além disso terá policiamento sobre outros movimentos inclusive sobre os movimentos de partidos que podem não estar com Clésio nas eleições do ano que vem. Quer dizer, ele é o soldado no posto estratégico.

Por fim, Arleu não será só vereador, pois será também Secretário quando os fatos exigirem.

Por exemplo, Paulo Ferrarezi (MDB) era oposição, foi convencido a ficar mais perto de Clésio pelos colegas de bancada Toninho da Imbralit e Tita Beloli, mas como suas reivindicações não vinha sendo atendidas distanciou-se de novo. É destes movimentos que Arleu vai cuidar.

Por fim, deve-se enxergar neste movimento ainda o fato de o dia a dia vai deixar Arleu mais perto do eleitor e um vereador com força de Secretário pode pavimentar extraprdonário caminho à reeleição senão para um posto mais importante como de vice-prefeito. O tamanho dos aliados vai dizer onde ele vai estar nas próximas eleições.

Clésio Salvaro abre e fecha a semana com polêmica

 personJoão Paulo Messer
access_time04/10/2019 - 18:00

Definitivamente esta não foi uma boa semana para o prefeito Clésio Salvaro. Inicou e terminou com polêmicas à cerca da sua fala e atitude. Na segunda-feira escorregou ao dizer que há crianças que sequer conhecem seu pai. Para completar, nesta sexta-feira, termina a semana mandando à Câmara de Vereadores o seu “baço direito” secretário de Governo Arleu da Silveira. Arleu é o vereador mais bem votado (3.4331 votos), mas estava no Executivo abrindo vaga para o suplente Álisson Pires, todos do PSDB. Ocorre que Pires votou contrariando uma orientação do partido. Desobedeceu e foi punido com a perda da vaga na Câmara, nem que para isso Clésio tenha que tirar da prefeitura um homem estratégico.

Foi no extremo
Por mais que o partido argumente que a base aliada precisa ser fiel e que até a legislação diz isso, quando prevê possibilidade de expulsão de um filiado que descumprir orientação de voto quando a sigla fechar questão, a operação que coloca Arleu da Silveira na Câmara e “desaloja” Álisson Pires é autoritária. À luz da interpretação externa a atitude foi grosseira. Os aliados do prefeito lembram que Pires já estava com “cartão amarelo”.

Mudança de cargo
No final da tarde desta sexta-feira aconteceu a solenidade de transmissão do cargo de Secretário de Governo de Arleu da Silveira para Vágner Espíndola. Arleu assume na Câmara segunda-feira. Ninguém que conhece as coisas na prefeitura acredita que Aleru da Silveira não seja, a partir da semana que vem, uma espécie de super-homem, pois será vereador acumulando as funções no Executivo. Ele é tão fiel que se submeteu à decisão do prefeito.

Recado duplo
A destituição de Álison Pires da cadeira no Legislativo respinga em outro vereador, Aldinei Poteleki, o líder de governo que na semana passada não conseguiu liderar a bancada em votação de matéria aprovada e que prevê a isenção do pagamento de IPTU aos portadores de neoplasia maligna (câncer), paralisia irreversível e incapacitante, Parkinson, Alzheimer, Esclerose Múltipla (EM), e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). Pires, que é médico diz que votou conforme a sua consciência.

Mexeu com mais
O prefeito Clésio Salvaro não “comprou uma briga” apenas com o vereador Álisson Pires, mas com todos os demais, pois está mandando à Câmara de Vereadores um projeto do Executivo criando um fundo que vai ajudar para abater no IPTU dos contribuintes comprovadamente doentes. Para isso desconta 10 por cento do salário dos vereadores, do prefeito e do vice. Mexeu no salário mexeu com todos.